pianco in foco

Juiz que sonha com justiça e igualdade, é destaque no combate a criminalidade, no Vale do Piancó-PB

Fonte: www.valedopianconoticias.com.br

O respeito adquirido por ele, traduziu-se na entrega do Título de Cidadão Conceiçãoense, comenda concedida pela Câmara de Vereadores do município. Ao receber o título, em seção solene, realizada na Câmara, o juiz desabafou: “este momento representou um dos melhores momentos da minha vida”, disse.

A história do juiz piancoense, Antonio Eugênio Leite Ferreira Neto, assemelha-se com a história de milhares de outras pessoas, que têm no ímpeto o desejo de ver reinar a justiça social, de ver imperar a igualdade entre as pessoas. Incansável, o juiz tem agido implacavelmente no combate à criminalidade, por onde passa e onde atua e isso tem lhe rendido ‘bons frutos’ na sua carreira.

Foram muitas as conquistas alcançadas pelo juiz da cidade de Itaporanga, Antonio Eugênio, desde que começou a trabalhar na região do Vale do Piancó. No entanto, pelo semblante dele, quando fala do lugar, os seus melhores momentos ocorreram quando trabalhou na Comarca de Conceição, onde admitiu desejo de voltar a trabalhar.

Natural da cidade de Piancó, o magistrado tem se destacado pela vontade implacável de dizimar a criminalidade por onde passa. Foi assim na cidade de Conceição, onde teve eficazes atuações, está sendo assim na cidade de Itaporanga, onde ele vem seguindo a mesma linha de trabalho, por onde passou.

A competência do juiz o levou a fazer parte da Meta 4, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que abrange os processos de atos de improbidade administrativa e de crimes contra a administração pública. Em todos os processos presididos por ele, Antonio Eugênio foi enérgico e implacável, quando provada a culpabilidade do gestor.

Recentemente o juiz foi homenageado pela passagem do seu aniversário e reviveu momentos ímpares da sua infância, na cidade de Piancó, onde nasceu.

”Eugênio, por sua vez, depois de ‘alçar voos’ na labuta pela borracha da vida, seguindo sua carreira de Magistrado, voltou à mesma mesa, no mesmo lugar onde seus pais, parentes e amigos, em um passado não muito distante, estiveram juntos, festejando a vida e sonhando com dias melhores para os seus rebentos, a quem trata com muito carinho. A semente que foi plantada naquela estação, germinou e a esperança ‘criou asas’ e, em entorno de uma realidade festiva, aquele que recebeu e acreditou na esperança, junto aos seus, voltou ao seu ‘tão adorável e necessário convívio’, para celebrar e devotar a todos os seus sentimentos e agradecimentos pelo amor dedicado e a consideração que de todos o enobrece”, escreveu o Blog Piancoinfoco.com durante homenagem ao magistrado.

Por outro lado, a carinho do magistrado pela cidade de Conceição e pelo seu povo, enraizou-se de forma mútua. No município o Antonio Eugênio fez raízes e adquiriu admiradores pelo seu ímpeto de justiça. O respeito adquirido por ele, traduziu-se na entrega do Título de Cidadão Conceiçãoense, comenda concedida pela Câmara de Vereadores do município. Ao receber título, em seção solene, realizada na câmara, o juiz desabafou: “este momento representou uma dos melhores momentos da minha vida”, disse.

Atualmente o juiz é Titular da Comarca de 2ª. Vara Mista, na cidade de Itaporanga, onde tem atuado fortemente contra a criminalidade. Mas, foi na sua passagem pela a cidade de Conceição que o magistrado teve seu melhor momento à frente da justiça.

Embora de família tradicional da cidade de Piancó, o juiz Antônio Eugênio teve uma infância considerada por ele, ‘pobre’. No entanto, nem sempre foi assim. O seu pai foi dono de muitos patrimônios, mas por força das ilusões da vida e envolvimento com bebidas, acabou perdendo, aos poucos, seus bens. E para aumentar o grau da superação da família, quando o juiz tinha 11 anos de idade seu pai faleceu e sua família, que é professora da rede pública, teve que se virar sozinha, para sustentar a família e para o filho estudar e se formar.

No entanto, os obstáculos que a vida lhe impunha serviram de combustível para a vitória. E, depois de se formar em Direito, a partir do ano de 2012, Eugênio passou a integrar o quadro da magistratura do Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba. Enfim, o menino ‘franzino’ se tornou juiz de ‘toga preta’, a chamada “capa do Batman”, personagem que foi referência de justiça das histórias de revistas de quadrinhos.

Eternamente grato à sua genitora, pela a superação dos obstáculos e aos esforços, que a vida lhe proporcionou, até a sua formação em Direito, o magistrado faz questão de externar a sua gratidão. “O início da trajetória de um ideal de vida de fazer justiça. Minha maior lembrança foi a minha toga colocada pela minha mãe, a minha maior referência nesta vida e ‘meu anjo de luz protetor’”, externou o magistrado, que completa cinco anos de trajetória na Magistratura paraibana.

Outro marco na forma de atuação do juiz é a concessão do direito do apenado. Essa tem sido também uma das grandes bandeiras do magistrado, que acredita, piamente, na ressocialização dos presos. “As pessoas erram, mas não podemos condená-las a viver no erro, todos merecem uma chance. E, se elas procurarem em mim uma oportunidade e forem merecedoras, não serei eu quem irá enclausurar o direito de um pai de família. Basta que ele cumpra a pena imposta a ele, que seu direito será sempre a ‘bandeira da minha luta’”, destacou o juiz.

Author: ZECA ALVES

Share This Post On

O que se passa no vale?

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*